Quando muito gelo vira muita água, o planeta está em grande perigo. Em seis anos, a Antártica “perdeu uma Londres” de extensão

Quando muito gelo vira muita água, o planeta está em grande perigo. Em seis anos, a Antártica “perdeu uma Londres” de extensão
  •  

“Ah, o aquecimento global é balela! Não está acontecendo nada disso!”.

Por incrível que possa parecer, na contramão de todos os esforços dos ambientalistas para proteger a natureza (e a vida humana, por tabela), há quem ache que o derretimento das calotas polares é papo furado.

Não é.

Um novo estudo – publicado na revista Nature Geoscience – veio comprovar isso, inclusive, com contornos bastante assustadores. A pesquisa apontou que o oceano Antártico perdeu – entre 2010 e 2016 – uma área de 1.463 quilômetros quadrados de gelo submarino.

Não tem ideia do quanto isso significa?

A gente te conta.

É o equivalente à toda área de Londres.

Assustou, né?

É para assustar mesmo.

“A Antártica está derretendo em sua base. Nós não podemos ver esse processo porque está acontecendo abaixo da superfície do mar”, disse o professor Andrew Shepherd, um dos autores do estudo.

O levantamento indicou ainda que o recuo da linha de aterramento foi extremo em oito dos 65 maiores glaciares da região. O ritmo do degelo – desde a última era glacial – é de aproximadamente 25 metros por ano. O recuo da linha de aterramento nessas geleiras é cinco vezes maior que essa taxa.

Mas o que raios significa “linha de aterramento”? 

Trata-se de um indicador-chave da instabilidade do manto de gelo, já que as mudanças na referida posição refletem o desequilíbrio com o oceano circundante e afetam o fluxo do gelo interno. O registro desse processo é uma das ferramentas das quais os cientistas lançam mão para avaliarem condições de desequilíbrio. 

Tá, mas o que isso tudo quer dizer?

Que – em um espectro bem mais amplo de consequências – gelo derretido significa mais água no planeta e, consequentemente, a subida dos níveis dos oceanos.

Uhm...E?

E que...oceanos com seus níveis aumentados, em algum momento podem, sim, fatalmente, invadir áreas aterradas...Leia-se cidades inteiras.

Sabe aqueles filmes-catástrofe de Hollywood nos quais as águas tomam grandes metrópoles mundo afora e que a gente sempre acha que é espetacular demais, que está looongeee da nossa realidade?   

Pois é...”uma Londres inteira” já virou água na Antártica.

[Fonte: Exame.com] 




Ultimas Notícias

Cada corpo é um corpo. As diferenças não podem ser negligenciadas. Novo Código de Ética dos nutricionistas proíbe uso de fotos com “antes e depois”

Postado por:

Se você esteve a par das notícias nos últimos dias, soube que uma bancária brasileira perdeu a vida depois de se submeter a procedimento estético – sem qualquer segurança – para preenchimento de glúteos.

LEIA MAIS

Sedentarismo: tudo começa com a falta de informação e de incentivo na escola

Postado por:

Quantas vezes já não ouvimos por aí que o corpo humano não foi projetado para ficar parado e precisa de movimento?

LEIA MAIS

Universidade Vale do Rio Verde oferece cinco cursos de pós-graduação, à distância, na área de Fisioterapia

Postado por:

Bem sabemos que, em todas as profissões, o aprofundamento acadêmico é fundamental para a construção de uma carreira de sucesso, certo?

LEIA MAIS

Pós-Graduação Unincor - Todos os Direitos Reservados.