Síndrome de Burnout, consequência de estresse crônico no trabalho, é incluída pela OMS na Classificação Internacional de Doenças

Síndrome de Burnout, consequência de estresse crônico no trabalho, é incluída pela OMS na Classificação Internacional de Doenças
  •  

Síndrome de Burnout.

Já ouviu falar?

A alteração na saúde foi descrita como sendo uma "síndrome resultante de um estresse crônico no trabalho que não foi administrado com êxito" e caracterizada por três elementos: sensação de esgotamento, cinismo ou sentimentos negativos relacionados a seu trabalho e eficácia profissional reduzida.

Muito bem, no último dia 28, a Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou uma lista – a Classificação Internacional de Doenças (baseada em conclusões de especialistas do mundo todo e usada para estabelecer tendências e estatísticas de saúde) – e incluiu o distúrbio no rol como sendo não uma doença, mas sim (como já te contamos acima) uma síndrome resultante de estresse crônico no trabalho.

Os estados membros da entidade adotaram a inclusão.

"É a primeira vez que o esgotamento profissional entra na classificação", anunciou o porta-voz da OMS, Tarik Jasarevic.

A Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID-11) ficou pronta no ano passado, assim que a 72ª Assembleia Mundial da OMS foi aprovada. No entanto, só agora foi ratificada pelos estados membros e deve entrar em vigor em 1º de janeiro de 2022.

Para que fique bem clara para você a dimensão da importância dessa lista, ratificando o que já te contamos, a Classificação constitui uma ferramenta em linguagem comum que facilita o intercâmbio de informações entre os profissionais da área da Saúde ao redor do planeta.

Uma “mão na roda”, não?

Pois é.

O Burnout – incluído no capítulo “problemas associados” ao emprego ou desemprego – recebeu o código QD85.


[Fonte: G1 // Ciência e Saúde]




Ultimas Notícias

Mais chances nas transfusões: pesquisadores conseguem transformar sangue tipo A em universal

Postado por:

Você já deve ter ouvido por aí algumas vezes que o sangue tipo O é considerado como doador universal, certo? Isso acontece porque essa variedade do plasma humano carece de antígenos, moléculas de açúcar presentes na superfície de seus glóbulos vermelhos. Esta ausência impede que – em caso de necessidade de transfusão, por exemplo – o sistema imunológico acabe por atacar e matar glóbulos vermelhos correspondentes a fator RH diferente daquele do paciente.

LEIA MAIS

Há 2,5 mil anos, a China já usava a maconha com fins recreativos

Postado por:

Vai não vai vemos notícias na imprensa sobre famílias que seguem lutando na Justiça pela obtenção de permissão para usar a maconha com fins terapêuticos. A Ciência já sabe que o canabidiol (derivado da erva) e o THC (substância psicoativa presente na planta) têm propriedades medicinais e que podem ser usados como remédios – com a devida supervisão – por exemplo, em quadros de epilepsia, ansiedade, esclerose múltipla e dor crônica.

LEIA MAIS

Parabéns pelo seu dia, profissional de Mídia!

Postado por:

Neste 21 de junho celebramos o Dia do Profissional de Mídia. 

LEIA MAIS

Pesquisa americana revela: consumo de carne de frango, em substituição à bovina, já contribui bastante com as causas ambientais

Postado por:

Um novo estudo – realizado com 16,8mil pessoas nos Estados Unidos – revelou que o consumo da carne de frango em lugar da bovina, por si só, já é capaz de operar grandes alterações no meio ambiente.

LEIA MAIS

Estudo canadense revela que todos temos – sim – um “tipo” preferido quando o assunto é amor

Postado por:

Sabia que um estudo mostrou que – de fato – as pessoas, em geral, têm um “tipo” preferido quando o assunto é namoro?

LEIA MAIS

Pós-Graduação Unincor - Todos os Direitos Reservados.