Dormir bem tem relação direta com a boa saúde

Dormir bem tem relação direta com a boa saúde
  •  

Responda rápido: diante da falta de tempo para executar uma tarefa, você, por acaso, já foi perguntado (a) sobre o que faz da meia-noite às seis da manhã? E, como forma de passar adiante tamanho equívoco, já disse por aí, em tom de chacota, para quem quisesse ouvir, que dormir é para os fracos?

Podemos quase apostar que a sua resposta para a primeira pergunta foi positiva. Agora, se você também se viu na segunda situação, sério, chega mais aqui, precisamos conversar...

Todo mundo sabe que uma boa noite de sono é fundamental para deixar todos mais dispostos. O que, talvez, poucos tenham conhecimento é que a falta dele, do sono reparador, pode ocasionar graves problemas de saúde e levar, inclusive, à morte precoce.

Não somos nós que estamos dizendo, a informação foi divulgada por Matthew Walker, professor de Neurociência e Psicologia na Universidade da Califórnia, Berkeley, nos EUA.

De acordo com o estudioso, estamos dormindo cada vez menos. "As pesquisas da década de 40 mostram que um adulto médio dormia 7,9 horas. Agora, esse número está perto de 6,75 horas", disse o cientista.

Mas por que estamos dormindo menos?

A tecnologia tem muito a ver com isso. É que nosso relógio interno usa a claridade para planejar quando é hora de estarmos acordados ou dormindo. E a luz artificial – tão comum em nosso cotidiano – altera bastante essa dinâmica, piorando, claro, e muito, a qualidade do sono.

Nosso ciclo circadiano (como é chamado o período de aproximadamente 24 horas sobre o qual se baseia o ciclo biológico de quase todos os seres vivos e que é influenciado, principalmente, pela variação de luz, temperatura, marés e ventos entre o dia e a noite) é diretamente impactado pelas noites mal dormidas.

Se você ainda não se convenceu de que dormir as 8 horas diárias recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) faz toda uma diferença para a saúde, o professor Walker esclarece: "Toda doença que parece estar nos matando no mundo moderno, do câncer ao mal de Alzheimer, infarto, diabetes, obesidade, derrame e até suicídio tem ligações significativas — e causais — com a falta de sono”.

Tá, agora que você já entendeu que o sono é, sim, importantíssimo para a saúde e que uma certa conversinha, muito disseminada por aí também (que diz que dormir é pura perda de tempo e que, para descansar, teremos toda a eternidade) não passa de uma piada bem sem graça e muito perigosa, vamos passar algumas dicas para que possa descansar do jeito que o seu corpo precisa.

A primeira é dormir e acordar nos mesmos horários, tanto de segunda à sexta quantos aos finais de semana. A segunda é não ficar acordado (a) na cama (só se deite quando for – efetivamente – dormir). A terceira é manter o quarto resfriado a uma temperatura em torno de 18°C (o corpo humano precisa de uma queda na temperatura para pegar no sono) e, por fim, a quarta dica é evitar cafeína após as 14h porque ela impede o sono profundo (que é o verdadeiramente reparador).

Tudo anotado?

Durma bem!


[Fonte: G1 // Ciência e Saúde]




Ultimas Notícias

Economia: o que 2020 reserva para os brasileiros?

Postado por:

E cá estamos em 2020.

LEIA MAIS

Confira tendências para a área de Marketing em 2020

Postado por:

É fato, 2020 está chegando com muitas promessas para a área de Marketing e o ponto alto da mercadologia para o ano que vem aí será, efetivamente, sua versão digital.

LEIA MAIS

Enfim, véspera de Natal! E a uva passa, hein?

Postado por:

A Bíblia não cita, exatamente, em qual data Jesus nasceu, mas a tradição cristã afirma que foi no período da noite. O costume da celebração – passado de geração a geração – fez com que a madrugada do dia 24 para 25 de dezembro ganhasse o simbólico nome de “Noite Feliz”.

LEIA MAIS

Black Friday: conheça a origem da ação promocional que é sucesso no mundo todo

Postado por:

Conta aqui para a gente...Fez suas comprinhas na Black Friday?

LEIA MAIS

Pós-Graduação Unincor - Todos os Direitos Reservados.
POLÍTICA DE TROCA, DEVOLUÇÃO E ARREPENDIMENTO
CNPJ 54.933.536.0001/99