O dilema da comida: a produção dela causa desequilíbrio na natureza e, no futuro, poderá dificultar a permanência humana no planeta

O dilema da comida: a produção dela causa desequilíbrio na natureza e, no futuro, poderá dificultar a permanência humana no planeta
  •  

Hoje, o assunto aqui é comida.

E nós vamos te trazer uns dados que vão – como se diz por aí – fazer “cair seu queixo”.

Atualmente, como você deve saber, somos mais de 7 bilhões de pessoas dividindo a área – que, obviamente, não se expande – do planeta.

Considerando que, em essência, o ser humano recorre à natureza para se alimentar não vai te causar espanto saber que comemos os vegetais de um quarto das terras do planeta e a carne de um terço do mundo, certo? Ou vai?

Ufss!!

Especialistas no tema contam que, dos anos 60 para cá, a água do planeta teve sua utilização dobrada e 70% desse total são usados para a agricultura.

 Aí você, rapidamente, se sai com um “ah, mas, se “der ruim na terra”, ainda temos os mares, os peixes!”.

Então...

Dados da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação indicam que, na toada de pesca em que seguimos, serão apenas mais 40 anos e todas as espécies comerciais de peixe irão desaparecer.

É um fato: a comida causa desequilíbrio ao planeta.

Pesada esta afirmação, não? Você já tinha parado para pensar sob esta ótica?

O aquecimento global e a devastação dos ecossistemas já mostraram que será impossível sustentar toda essa produção e consumo de alimentos.

Vish...o que fazer então?

Bom, a primeira coisa a fazer é adquirir a consciência de que precisamos, todos nós  – o quanto antes – rever nossa relação com os alimentos. E podemos fazer isso tornando a ação de comer, além de prazerosa, também cidadã.

Oi?

A gente te explica.

Sempre podemos optar por alimentos locais, aqueles que gastam pouco combustível e recursos naturais para chegarem às nossas mesas. Além de tudo, eles ainda geram riquezas ao redor da região de produção! Olha que ótimo!

Reativar nossa conexão com a natureza, nos dedicando a saber de onde vem a nossa comida (e como ela é criada) é um excelente primeiro passo para que cada um de nós possa contribuir – efetivamente – para que gerações futuras continuem tendo como se alimentar.


[Fonte: Revista Galileu] 




Ultimas Notícias

Reposição hormonal: homem também faz!

Postado por:

Levanta a mão aí quem acha que é muito fácil fazer um homem ir ao médico sem que esteja – praticamente – “à beira da morte”?

LEIA MAIS

Pesquisadores britânicos alertam: magros também podem apresentar doenças cardiovasculares. Peso não deve ser o único indicador de alerta

Postado por:

Em termos de administração da boa saúde, o que você acha que mais importa: esforçar-se para manter o peso adequado ou não apresentar doenças me

LEIA MAIS

Um raio-X da saúde: a genética tem, sim, impacto no desempenho de atividade física

Postado por:

Você sabia que a herança genética pode fazer toda a diferença no desempenho de um esportista ou no emagrecimento de uma pessoa?

LEIA MAIS

É preciso que se compreenda quais são os caminhos que levam à obesidade

Postado por:

Chega aqui mais perto e fala sério: quando você se propõe a emagrecer, adota dieta, suuuaaa na academia, passa vontade de comer guloseimas, sobe na balança ao fim de alguns dias e....? Nenhum grama a menos. Ou..tá, vai...poucos gramas descontados do peso que incomodava. Agora pensa só para engordar? Pior que o verbo está certinho. A sensação é de que...pensou...puft!...engordou! Não é assim mesmo?

LEIA MAIS

Conheça os alimentos que ajudam a controlar a ansiedade

Postado por:

Responda rápido: você é ansioso(a)? Sim? Não?

LEIA MAIS

Pós-Graduação Unincor - Todos os Direitos Reservados.